Indicadores hospitalares:

Por que são importantes e quais são os principais?
Da Redação

De modo geral, os indicadores examinam o desempenho do centro clínico, tendo por base sua logística, gastos e modo operacional.

O ideal é que os indicadores sejam determinados de acordo com as necessidades específicas de cada instituição. Isso oferece mais vantagens e maior confiabilidade às informações, favorece o monitoramento de setores, a ampliação das qualidades e a resolução das falhas.

Na dúvida, muitos gestores se perguntam quais são os indicadores que devem ser monitorados. Para ajudar nesse processo, preparamos um guia com os principais KPI’s:

1. Taxa de ocupação:

Traça o percentual do total de pacientes atendidos pela quantidade de leitos disponíveis por dia. É possível saber o tipo de leito que é mais usado, qual a faixa etária, sexo e convênio que mais gera demanda.

2. Intervalo de substituição

Corresponde ao tempo médio que o centro cirúrgico fica desocupado (ocioso).

3. Tempo médio de permanência

Para calcular o tempo médio de permanência, é preciso considerar o total de pessoas atendidas por dia.

4. Rentabilidade

Arrecadação da instituição em relação ao montante de recursos investidos.

5. Faturamento

O faturamento faz parte da gestão administrativa, determina as contas a pagar e receber e percentual de glosas.

6. Satisfação do paciente

A satisfação dos usuários está diretamente relacionada à humanização do atendimento e pode ser medida por questionários de avaliação. Para estabelecer um nível, pode-se criar um questionamento padrão, como, por exemplo, se o usuário indicaria o serviço.

7. Avaliação da produtividade clínica

É papel do gestor avaliar os serviços que dão mais retorno financeiro, considerando procedimentos complexos, cirurgias e consultas especializadas.

8. Avaliação da produtividade da equipe

Conhecer bem os profissionais envolvidos no trabalho dos centros de saúde é parte fundamental da tomada de decisões. É nesta força de produção que está toda a capacidade de funcionamento da instituição. É preciso quantificar o número de colaboradores por setor, porcentagem de faltas, afastamentos temporários, rotatividade e folha de pagamento. Outro ponto importante é a avaliação do clima organizacional. Tudo isso reflete diretamente na satisfação da equipe. Essas informações revelam a necessidade de contratações, remanejamento ou desligamento de funcionários.

9. Taxa de mortalidade

Corresponde ao número de óbitos em um período determinado. Ajuda a determinar as mortes em atos cirúrgicos e por diagnósticos. Com isso é possível estabelecer ações que diminuam o índice.

10. Tempo na sala de espera

O tempo na sala de espera é uma das maiores reclamações de pacientes em consultórios médicos de todo o mundo. Diante desse cenário, esse é um dos KPIs na área de saúde que sua clínica/hospital deve acompanhar.

11. Taxa de retorno de pacientes

Quantos pacientes voltaram para outras consultas, quantos cancelaram, além disso, quantos não apareceram mais. A análise da taxa de retorno permite que o gestor entenda melhor sobre os acertos, mas também sobre falhas no oferecimento dos serviços.

Com tantos indicadores para serem avaliados, é fundamental a automação das informações, integrando os dados dos mais diversos setores, reduzindo substancialmente as falhas.

Quando os indicadores são apresentados em um Dashboard Online, a equipe do hospital consegue acompanhar de forma interativa, mas também em tempo real. Assim, o gestor pode acompanhar a ocupação dos leitos, utilização das salas cirúrgicas, atendimento nas portas de entrada e pacientes, etc. Se você deseja ter todas as informações do seu hospital em uma única plataforma, entre em contato conosco.


‍Para acompanhar as notícias do setor, clique aqui!